sexta-feira, dezembro 23, 2011

MAL DE AMOR













...ele não gosta da expressão "Te amo",
contou-me isto pois me julgava amiga.

Muitas foram dispensadas após proferirem
tal heresia...

- Coitadas!!!

Isto me doía, afinal, eu também o amava!

Um dia fiquei doente de amor...
tive febre alta, vômito e uma diarréia profusa
que me encorajava a levantar da cama...

Intrigado, perguntou-me:

- O que você tem?

Pensei ser esta a minha chance.
A pergunta vivificou meu dia morto,
porém, como não sou burra,
apenas exclamei:

- Estou doente!

Em seguida calei-me.

Sabia que a curiosidade puramente científica, iria
fazê-lo insistir, e perguntar-me novamente.
Pura especulação...
nisso, a questão pulou de sua boca.

-É o que?

Nossa!! acertei!, pensei logo ao primeiro segundo,
porém, continuei calada, como se não tivesse ouvido.

Curioso e incomodado com o silêncio, perguntou-me novamente,

- Mas é o que ??

Meu pensamento, rápidamente respondeu:

 -Trata-se de " amor sufocado"!

A boca no entanto, mentiu, e displicentemente
exclamou:

- Intoxicação Alimentar!

SINAL DA CRUZ










-Estou sufocando !
bradaram os olhos.
-Estou sufocando!
exclamou a mente.
-Estou sufocada!
disse a pele
-Sufoquei-me!
constatou a alma.

Todos os orgãos gritaram o mesmo,
ao mesmo tempo...
seguidos pelos membros...

A Esperança, aproximando-se,
ao ver aquilo fez o sinal da cruz,
e se preparou para o enterro.

CHRONOS E A ORQUÍDEA










Ao longe, avistei tua face de pouca beleza...
eras absolutamente linda para mim !

O chão te agradecia as pisadas,
em cujas feridas, brotavam orquídeas.

A quis só para mim, e haverias de ser...

O tempo por deus me tinha,
estavas ligada a mim, mas tua inocência
não sabia.

Teus dias seriam meus, em cada ínfimo segundo,
não tinhas como escapar, salvo o deus da Morte
te desejasse também, mas isso nos levaria á duelo,
por ti, afinal, deuses também tem caprichos...

Sem ciência, brincavas nos Jardins do Éden,  julgando-te
inalcansável,
-pura soberba tua !

Eu podia ver-te , e estava em ti, porém, não a possuía ainda,
afinal, não me fazias caso, desconhecias minha existência
em tua tão plena juventude.

Assim, recorri a meu deus Supremo, e requeri
tua posse, antes que outro a desejasse.
Este, não me negou.

Fiz em ti exaustão,e quando adormecestes deitei-me sobre teu corpo
e enlouqueci em tua carne...
enfim me conhecias agora!
Pensarias no entanto, ter pousado em sonhos,
mas não foi, e eu sabia,

Te amando, esqueci-me no momento,
e tua juventude se foi,
tua face de pouca beleza estava fria agora,
havias te apartado de mim e não percebi, enquanto te amava...

Não houve o duelo, apenas meu capricho se descuidou e outro
deus agora te possuía...

Sem poder para transitar em outros mundos,
dou voltas em várias voltas.
- Pelos caminhos do universo, onde andarás?
em que jardim estarão teus pés plantando orquídeas?

Tenhas a glória de ter ferido a um deus,
amor de face de pouca beleza,

Vejo-me agora um velho, que retorna ao Jardim de antes
para colher tuas pisadas ...

S.Cal

sexta-feira, novembro 05, 2010

ORE CLAUSO












Na face,
a boca
calada,
apalavrada,
cerzida...

As mãos não!

Na face,
a boca, e
aconchegada
no côncavo céu,                                                   
a língua,                                                     
engessada...


As mãos não !


Livres, afoitas,
escrevem,
escrevem,
                                                     
escrevem,
escrevem,
escrevem,

escrevem...

segunda-feira, outubro 11, 2010

SOB A CARNE

 
... a porta se fechara, lá dentro, feridas ainda abertas.
Trancando-as  bem, haveriam de cicatrizar.
Ficariam lá, se curariam sózinhas.

Quando não incomodaram mais,
veio o Alívio...
- Haveríam de estar definitivamente saradas!

Outro dia, bateram à porta, e
elas voltaram a doer.
Por baixo das "casquinhas"
a carne ainda viva, latejava.                                               


                       
http://www.youtube.com/watch?v=NczzWao_rVU
 


sábado, outubro 09, 2010

DIAMANTES










 Olhos que olham
 os outros,
 Vidas que vivem
 a dos outros.

Bocas que falam
dos outros,
Juízos que julgam
os outros.
                                
Conceitos que pré-conceituam
os outros...
Todos despertarão um dia.
                     
Ao se levantarem,
perceberão quanto tempo
perdendo a riqueza de si mesmo.

                                                      Su Cal